Pular para o conteúdo
27/03/2011 / Campo de 11

Fluminense 0 x 0 Vasco – Expectativa em vão

 

As vaias ao final da partida foram uníssonas. Depois de se provocarem durante todos os 90 minutos, as torcidas de Fluminense e Vasco se uniram em um só protesto, concordando entre si com o péssimo jogo que acabavam de ver. A expectativa em torno de um clássico técnico e emocionante, devido a melhora recente das duas equipes e a motivação de ambos em vencer um clássico, acabou indo por água abaixo. O que se viu no Engenhão foi uma partida muito fraca, que explanou erros diversos dos dois times.

O duelo até começou movimentado, animando os mais de 22 mil pagantes. Com marcação de alta pressão, o Vasco sufocava o Fluminense na saída de bola. Por outro lado, com Souza inspirado nos primeiros 15 minutos, o Tricolor levava perigo com a bola no chão. Após a parada técnica, foi o Vasco quem melhorou e passou a dominar a partida, com Bernardo escapando com facilidade da marcação de Valência e Diguinho.

Veloz e esbanjando movimentação, o trio de frente do 4-3-1-2 vascaíno confundia a zaga tricolor, criando diversas situações de gol, salvas por Ricardo Berna, o melhor em campo. Senão em jogadas bem tramadas, o gol cruzmaltino poderia surgir a qualquer momento também nos contra-ataques gerados pelos erros de passe tricolores, quase sempre de Conca, muito mal em campo.

Perdido na marcação, o Fluminense tentava se lançar ao ataque através de sua principal válvula de escape, Mariano. Mas Felipe, além de acertar todos os passes e dar uma qualidade imensurável à saída de bola cruzmaltina, auxiliava be Allan no combate ao camisa 2 rival, desarmando-o em várias oportunidades, e complicando ainda mais o Tricolor.

Para a segunda etapa, Enderson Moreira abriu mão dos lampejos de Souza para colocar Deco, em alta no clube. De nada adiantou, pois o luso-brasileiro entrou muito desligado no jogo. Lento, só piorou o que já era ruim na equipe. Em seguida, em outra tentativa frustrada de mudar o jogo, o treinador interino sacou Emerson e pôs Araújo.

A resposta vascaína veio nas substituições de Ricardo Gomes, ineficazes, como as de Enderson. O resultado do duelo às margens do gramado foi sofrível: desorganização total por parte das duas equipes. E o jogo que já era de regular para fraco na primeira etapa, tornou-se ainda mais sonolento e ruim na metade final. Expondo defeitos das duas equipes, o empate acabou sendo justo. E frustrante pela expectativa que os cariocas tinham antes do clássico deste domingo.

É dever dos dois treinadores ajeitar as equipes. Ricardo Gomes precisa arranjar uma referência para o ataque, que, definitivamente, não será Diego Souza. O camisa 10 vascaíno não consegue se adaptar a essa função, saindo muito da área, buscando mais os flancos. Talvez Alcesandro, que estreou de forma discreta, possa ser esse cara.

Já Enderson Moreira tem o dever de deixar a casa arrumada para a chegada de Abel Braga, provavelmente em junho. A começar pelo desenho da equipe. Mesmo com jogadores fora de sua melhor forma técnica, é preciso – e possível – montar uma equipe mais efetiva ofensivamente com as peças que tem no plantel.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: